Rio de Janeiro
Caso 26: Policínica Granato - Rio de Janeiro, RJ

Desde a Constituição de 1988, o acesso universal à saúde é um direito fundamental de todo cidadão brasileiro. O Estado procura atender a esse direito por meio do SUS (Sistema Único de Saúde), que oferece atendimento e tratamento gratuitos a todos os brasileiros. Por outro lado, são notórias as dificuldades enfrentadas por seus pacientes, lentidão e falta de padrão de qualidade no atendimento são dois de seus principais problemas.

Já o sistema particular, estruturado em torno dos planos de saúde, é mais ágil e conta com melhor atendimento. Porém, possui preços que os tornam inacessíveis à maior parte da população. De fato, apenas 25% dos brasileiros possuem plano de saúde privado, segundo a Agência Nacional de Saúde, órgão do governo que regulamenta o setor (dados de setembro de 2013).

Ao vivenciar essa realidade, o médico Paulo Granato, 34, vislumbrou uma oportunidade: um “gap” entre o SUS e os planos de saúde particulares, que deixa grande parte da população brasileira sem alternativa de acesso aos serviços médicos de qualidade. Assim, aliando um serviço de qualidade com acessibilidade financeira, ele fundou a Policlínica Granato.

PARADA ÚNICA

A Policlínica Granato é uma clínica que oferece mais de 40 especialidades médicas e odontológicas, exames laboratoriais e de imagem à população de baixa renda, com agilidade, qualidade e infraestrutura comparáveis às caras clínicas do setor privado. E, claro, a preços acessíveis. “Clínica popular muitas vezes é sinônimo de baixa qualidade. Mas não tem que ser assim, oferecemos um atendimento qualificado e humano, com uma estrutura de qualidade, a preços populares”, diz Granato.

Por realizar exames em cada uma de suas duas clínicas no Rio de Janeiro (São Conrado e Tijuca), a Granato constitui uma verdadeira “parada única” da saúde. “O grande benefício [que a Policlínica Granato oferece] é o paciente vir aqui e conseguir realizar tudo [consulta, exame e retorno] no mesmo lugar. Essa agilidade no atendimento gera um ganho de tempo enorme para um eventual tratamento, o que pode salvar a vida do paciente e também no dia a dia da pessoa”, explica o médico.

A clínica atende desde recém-nascidos a idosos. “A comodidade é ainda maior porque oferecemos várias especialidades. A mãe vem à clínica para trazer seu filho ao pediatra, vê que aqui também temos ginecologistas e acaba se consultando. Ela ganha tempo e a gente mantém a clínica cheia”, conta Granato.

PÚBLICO

Curiosamente, Granato relata que seu maior desafio desde a fundação da clínica, em 2008, tem sido fazer o público alvo acreditar que o serviço da Granato é para ele. O Conselho Regional de Medicina proíbe a divulgação de valores de serviços médicos, a Granato não pode comunicar diretamente seus preços e seus potenciais clientes pressupõem que se trata de uma clínica cara.

Para manter a qualidade do atendimento a preços acessíveis, a Granato adota o que no mundo dos negócios costuma ser descrito como uma estratégia de liderança em custos: uma organização com responsabilidades claramente atribuídas, incentivos baseados em produtividade e processos estruturados para um alto volume de atendimento – somadas, as duas unidades da Granato realizam cerca de 5 mil consultas por mês e esse número vem crescendo puxado pela nova unidade da Tijuca. “Nossa capacidade de atendimento é o que permite à clínica ser financeiramente viável”, explica o fundador.

MÉDICOS

Granato relata que nunca enfrentou problemas para encontrar médicos parceiros para a clínica. “Foi bem rápido para as pessoas comprarem nossa ideia de dar acesso à saúde”, conta. “Elas não estão aqui só pelo dinheiro, estão aqui porque isso faz bem a elas e porque percebem que estão dando acesso à saúde a um público que estava desassistido”, diz.

Para Granato, a clínica opera como uma plataforma que conecta médicos e pacientes. Para os primeiros, o ambiente oferece clientes e uma estrutura que lhes permite realizar seu trabalho. Para os segundos, acesso rápido a profissionais de qualidade. O médico fundador da clínica é o responsável direto por buscar profissionais para serem parceiros da clínica. Além disso, a remuneração obtida pelos médicos é comparável àquela que recebem dos planos de saúde particular. “Com a vantagem de que aqui eles recebem à vista”, conta.

PLANOS
Olhando para o futuro, Granato pretende transformar a clínica em uma rede popular. Esse crescimento tem dois objetivos complementares: ampliar o acesso à saúde, o impacto social direto, proporcionado pela Granato e ganhar a confiança dos clientes. “As pessoas confiam em grandes marcas, por isso queremos nos tornar uma rede, para que mais pessoas confiem no nosso trabalho”, explica.

A Organização Mundial da Saúde define saúde como a “obtenção do estado de completo bem-estar físico, mental e social”. Isso implica que o atendimento a pacientes que buscam ajuda médica deve envolver mais que o simples tratamento de sua enfermidade. Um atendimento de qualidade é essencial para o bem-estar e a saúde do paciente.

Ainda que o Brasil tenha apresentado melhorias em seu sistema de saúde pública nos últimos anos, ainda apresenta diversas falhas que comprometem o atendimento às pessoas que dele dependem. Com um atendimento ágil, de qualidade e a um preço acessível, a Policlínica Granato representa uma nova geração de clínicas populares que propõe uma alternativa àqueles que não podem pagar por um plano de saúde.